Ir para conteúdo

Prejuízo com incêndio em loja agropecuária deve ser de R$ 15 milhões, diz empresário

No galpão em Rio Preto (SP) tinha mais de 10 mil itens, entre eles, produtos veterinários, máquinas agrícolas e roupas.

Telhado da loja em Rio Preto (SP) ficou completamente destruído e acabou cedendo (Foto: Reprodução/TV TEM)

O incêndio que destruiu uma loja de produtos agropecuários em São José do Rio Preto (SP) na noite de sexta-feira (23) deve causar mais de R$ 15 milhões de prejuízos aos donos da empresa.

A empresa tem 65 funcionários e muitos estiveram na manhã deste sábado (24) no local para ver o estrago.

“É muita tristeza porque são 32 anos dedicados ao setor de agropecuária. São quase 70 funcionários que dependem da empresa. Muitos estão com a gente há 30 anos, essa é a grande preocupação nossa”, afirma Eloy Gonçalves Júnior, sócio da empresa.

No galpão tinha mais de 10 mil itens, entre eles, produtos veterinários, máquinas agrícolas e roupas. Eloy disse que a empresa tem seguro, mas não vai ser suficiente para cobrir todos os prejuízos.

“Só danos materiais ainda bem, que graças a Deus. Acredito que com paciência, dignidade e trabalho a empresa vai voltar. Existe um seguro, agora qual o valor eu não sei, a gente renova todo ano, nunca usamos. O seguro, se cobrir, será metade do prejuízo e o restante vamos lutar e buscar para levantar a Agromonte”, diz Eloy.

Bombeiros trabalham no local do incêndio no centro de Rio Preto (Foto: Monize Poiani/TV TEM)

Contaminação

A área em que ficava a casa de produtos agropecuários ficou destruída no maior incêndio dos últimos dez anos em Rio Preto.

A Companhia Ambiental do Estado (Cetesb) passou o sábado analisando se as toneladas de fertilizantes e produtos químicos que estavam armazenadas se transformaram em poluição quando viraram fumaça ou quando foram lavadas pela água dos bombeiros.

O fogo já tinha sido controlado quando engenheiros da Cetesb foram até a Represa Municipal, que fica bem perto do local do incêndio. A preocupação era com o risco de contaminação da água, que abastece 25% da cidade.

Os técnicos analisaram principalmente as galerias de água de chuva que caem na represa, e o rio Preto na calha da avenida Philadelpho Gouveia Neto. De início, não encontraram nenhum produto químico.

“Primeiro a preocupação foi que a água usada pelos bombeiros para apagar o fogo não atingiram a represa para o abastecimento. Toda a população pode ficar segura que nenhum material chegou a represa de captação”, afirma João Adriano Alves, engenheiro químico da Cetesb.

Galpão na manhã de sábado (24) ainda havia fumaça, mas situação está controlada pelos bombeiros (Foto: Reprodução/TV TEM)

O incêndio

A loja de produtos agropecuários pegou fogo no começo da noite desta sexta-feira (23), por volta das 19h, na região central de Rio Preto.

Os bombeiros conseguiram controlar as chamas depois de mais de uma hora de trabalho. Foi possível ver a fumaça de longe.

A loja é tradicional em Rio Preto e fica ao lado do Terminal Rodoviário, na rua Pedro Amaral. Por causa da intensidade das labaredas alguns ônibus não conseguiram entrar no terminal rodoviário e os passageiros tiveram de descer em ruas próximas.

A linha férrea, que passa ao lado do galpão, precisou ser interditada, assim como a rua em frente do depósito. O telhado da loja foi totalmente tomado pelas chamas e acabou desabando cerca de uma hora após o incêndio começar.

A casa é especializada em produtos agropecuários – e isso também significa fertilizantes para solo a base nitrogênio, fósforo e potássio, produtos químicos altamente inflamáveis e que viram gases.

Caminhões-pipa da região foram chamados para ajudar. Somente uma hora e meia depois que o fogo começou, os bombeiros conseguiram arrombar as portas para chegar mais perto do fogo. Dentro do imenso galpão, toneladas de insumos agrícolas, produtos veterinários, roupas, peças e feno.

A loja

A Agromonte iniciou as atividades em Monte Aprazível (SP), no ano de 1986. Quando a empresa começou a crescer, a empresa se mudou para Rio Preto.

A loja tem 2,4 mil metros quadrados de área construída em uma área de mais de 7,5 mil metros quadrados.

A empresa vende produtos veterinários, como vermífugos, antibióticos, mosquicidas, carrapaticidas, além de produtos agrícolas, como herbicidas para culturas de cana, café e seringueira, além de defensivos agrícolas, farelos, grãos e sementes para plantio de milho.

Dentro do galpão a imagem é de destruição (Foto: Defesa Civil)
Bombeiros jogam água para tentar controlar as chamas no telhado da loja (Foto: Reprodução/TV TEM)

Fonte: G1 Globo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: